EBD| Lição Adulto – Lição 1 – Parábola: Uma Lição para Vida

Fonte: Portal da Escola Dominical

ESBOÇO GERAL
I – O QUE É PARÁBOLA
II – CONTEXTO SOCIAL E LITERÁRIO
III – COMO LER UMA PARÁBOLA

A PARÁBOLA

Wagner Tadeu dos Santos Gaby
Eliel dos Santos Gaby

A parábola é uma “narração alegórica que encerra uma doutrina moral”1  e tem como propósito facilitar a compreensão de uma mensagem através do compartilhamento de uma história, fixando assim conceitos essenciais em nossa mente, e isto é possível, uma vez que a parábola contém sempre uma lição central. Para Champlin ‘parábola’ “indica, literalmente, comparação, e é comumente usada para indicar uma história breve, um exemplo esclarecedor, que ilustra uma verdade qualquer”2.  Assim, a parábola é uma história que objetiva que algo seja claramente compreendido a partir de uma ilustração com base na situação vivencial da vida comum.

A parábola é diferente de uma fábula e de um mito. Sobre a diferença existente entre a parábola e a fábula, Champlin destaca que “a fábula é uma forma de história ilustrativa fictícia e que ensina através da fantasia, mediante a apresentação de animais que falam ou de objetos animados. A parábola nem sempre lança mão de histórias verídicas, mas admite a probabilidade, ensinando mediante ocorrências imaginárias, mas que jamais fogem à realidade das coisas”3.  Em relação à diferença entre a parábola e o mito é necessário verificar que este “narra uma história como se fosse verdadeira, mas não adiciona nem a probabilidade e nem a verdade. A parábola não tenta contar uma história que deve ser aceita como história real e, sim, um tipo de narrativa que nem sempre sucedeu realmente”.4

Para Cope, a “parábola é justaposição, isto é, colocação de uma coisa ao lado de outra com a finalidade de comparação e ilustração; indicação de casos paralelos ou análogos; é o caso do argumento da analogia. […] Aristóteles distingue parábola em geral da fábula dizendo que a primeira descreve relações humanas, com o que as parábolas do N.T. concordam; inventa casos análogos que não são históricos, mas sempre verossímeis, isto é, sempre prováveis e correspondendo ao que de fato ocorre na vida real”.5

É comum limitarmos o significado e alcance das parábolas somente no Novo Testamento, porém, sua verificação é ampla na história antiga e também está presente no Antigo Testamento. Apesar de Cristo ter se utilizado de parábolas para transmitir sua mensagem de forma simples e clara, fato este marcante inclusive no seu ministério terreno, não foi ele o criador desse recurso. As parábolas são verificadas entre os povos orientais da antiguidade, e, na literatura judaica eram usadas de maneira abundante na literatura dos rabinos com o objetivo de explicar verdades e doutrinas. O modo de vida agrário era o ambiente inspirador para o uso da parábola para atingir o objetivo de compartilhar uma mensagem. “Os escritos rabínicos estão cheios de histórias, alegóricas ou parabólicas quanto ao caráter, com a intenção de deixar claro algum ponto do ensino ou ilustrar alguma passagem na Bíblia Hebraica”.6  As parábolas estão presentes nos textos do Antigo Testamento devido ao fato de serem os hebreus exímios contadores de histórias, ou seja, era natural a presença das parábolas na cultura literária dos hebreus.

No que diz respeito ao uso de parábolas por outros povos na história, Charles Salmond destaca que “a utilização desse tipo de linguagem exercia atração especial sobre os povos orientais, para quem a imaginação era mais rápida e também mais ativa que a faculdade lógica. A grande família das nações conhecidas como semitas, aos quais pertencem os hebreus, junto com os árabes, os sírios, os babilônios e outras raças notáveis já demonstraram a especial tendência à imaginação, como também um gosto particular por ela”.7  A palavra hebraica mashal tem o significado de provérbio, analogia e parábola, e apesar de ser aplicada de forma variada e abrangente, a ideia essencial de seu significado faz referência a produção textual na forma de parábola.

(Texto extraído da obra “As Parábolas de Jesus:As verdades e princípios divinos para uma vida abundante. 1. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2018”. )

The following two tabs change content below.

Lidiane Santos

Correspondente pela sede desde 2013. Formada em serviço social e especialista em gestão pública municipal. Voluntária do Centro de Assistência Social da Assembleia de Deus em Rio Largo - Casadril.