EBD| Classe Jovem :: Lição 11 –Firmes na verdade e na graça de Deus

Fonte: CPAD

 2º Trimestre de 2018

INTRODUÇÃO
I – A AÇÃO DA TRINDADE NA VIDA DO SALVO
II – A FIRMEZA DO CRISTÃO
III – O CONSOLO DE DEUS AOS SANTOS 
CONCLUSÃO

Professor(a), a lição deste domingo tem como objetivos:
Reconhecer o ensino da Trindade presente em 2 Tessalonicenses;
Mostrar as causas da firmeza espiritual de um cristão;
Refletir a respeito do consolo de Deus em nossas vidas.

Palavra-chave: Firmeza.

Para ajudá-lo(a) na sua reflexão, e na preparação do seu plano de aula, leia o subsídio abaixo:

Há todo um esforço divino em estabelecer o melhor dos futuros para todos aqueles que lhe são fiéis. Se por rebeldia contumaz ou vida pecaminosa assumida conscientemente, alguns indivíduos receberão na eternidade juízo condenatório, essa não é a vontade do Pai idealizada para a humanidade.

Como bem afirmou o próprio Paulo (1 Tm 2.4) e também Pedro (2 Pe 3.9), o anelo de Deus é a salvação de todos os homens, pois foi para a eternidade de paz e segurança eternas que a humanidade foi constituída pelo Criador. Como a Bíblia já atesta antecipadamente, infelizmente haverá indivíduos que, por sua própria escolha, não herdarão o Reino dos céus, mas, sim, o castigo e vergonha eternos.

No entanto, como Paulo assevera aos crentes em Tessalônica na parte final do segundo capítulo de 2 Tessalonicenses, o que Deus tem reservado para seus filhos na eternidade é um conjunto de paz, alegria e conforto eternos. Pensemos, então, mais pormenorizadamente sobre cada uma das orientações de Paulo para os crentes tessalonicenses, referentes à postura destes enquanto desenvolvem suas vidas rumo às promessas eternas de Deus.

A Ideia da Trindade como Promotora do Futuro Redentor dos Cristãos em Tessalônica

Em 2 Tessalonicenses, há uma efusiva referência à obra da salvação realizada por meio da operação simultânea da Trindade. Apesar de associarmos, de um modo geral, a salvação ao sacrifício de Jesus no Calvário — o que é algo absolutamente coerente —, necessitamos compreender que a obra da salvação é um ato de cooperação eterna do Pai, do Filho e do Espírito Santo, de tal modo que, sem qualquer um destes, aquela ação divina não seria possível.

Ao falar sobre o papel de Deus Pai na operação da salvação, Paulo ressalta que somos salvos a partir da eleição promovida pelo Pai mediante Jesus de Nazaré e seu sacrifício. Sobre essa categoria teológica central quanto ao processo salvífico, a eleição, defende Jacó Armínio (1560–1609) numa citação longa, porém imprescindível:

O senhor acrescenta, então, que “ele não morreu igualmente pelos reprovados” (o senhor deve usar essa palavra, e não a palavra “perdidos”), “e pelos eleitos”. O senhor considera essas coisas na ordem errada, pois a morte de Cristo, na ordem das causas, precede o decreto de eleição e reprovação, de que se origina a diferença entre os eleitos e os reprovados. A eleição se fez em Cristo, morto, ressuscitado e que, meritoriamente, obteve graça e glória. Portanto, Cristo também morreu por todos, sem nenhuma distinção entre eleitos e reprovados. Pois essa dupla relação de homens é posterior à morte de Cristo, pertencendo à aplicação da morte e da ressurreição de Cristo e das bênçãos obtidas por eles. A expressão “Cristo morreu pelos eleitos” não significa que alguns foram eleitos antes que Cristo recebesse de Deus a ordem para oferecer a sua vida como o preço de redenção pela vida do mundo, ou antes que Cristo fosse considerado como morto (pois como poderia ser isso, uma vez que Cristo é o cabeça de todos os eleitos, em quem a sua eleição está garantida?), mas a morte de Cristo só assegura a salvação para os eleitos, (ARMÍNIO, 2015, p. 531).

Sobre a eleição, como argumentado por Armínio no texto acima, algumas considerações precisam ser feitas:

1) Quanto à possibilidade de acesso à salvação, para usar as categorias definicionais de Armínio, não há diferenças entre eleitos e reprovados.Tentando ser mais claro ainda, a hipótese de uma eleição prévia para condenação eterna de pessoas, motivada única e exclusivamente por uma arbitrariedade condenatória de Deus que, segundo essa hipótese, elegeria uns e rejeitaria outros, como denuncia Armínio, não é condizente com a aceitação do Filho de Deus e da proposta de sacrifício na cruz do Calvário para a salvação ofertada a todos os homens.

2) Ainda que, segundo uma análise a partir do processo histórico, o decreto de eleição precede o sacrifício vicário de Cristo, ao voltarmos o perfil da análise, não para uma compreensão histórico-processual, mas eterno-causal, ficará evidente que a autodeterminação de Cristo por sacrificar-se por toda a humanidade como oferta necessária e suficiente precede o decreto eletivo que, uma vez antecedido pelo nexo causal do sacrifício, opera mediante este.

Tomando como referência o fato de que nós, enquanto seres perpassados pela temporalidade, realizamos nossa compreensão de mundo a partir da noção processual-linear de tempo — herança cristã à cultura mundial 1 —, precisamos despir-nos de tais preconcepções fundamentais ao nosso pensar, para tentarmos visualizar a história da salvação a partir de seus encadeamentos lógicos, os quais nem sempre são subordinados a elementos históricos.

Se primeiramente houvesse ocorrido o decreto eletivo, necessariamente precisaríamos defender teses como, por exemplo, expiação limitada, decreto de condenação previamente estabelecido, monergismo e um tipo contraditório de “liberdade-determinada”.

3) Toda a eleição é mediante Cristo. Descontrói-se, assim, qualquer suposta acusação de pelagianismo ou semipelagianismo que Armínio e aqueles que comungam de suas ideias sofrem. O sinergismo que há entre humanidade e divindade é todo mediado pelo sacrifício de Jesus na cruz. A fé que fundamenta salvação não é oriunda de interpretações carnais ou de leituras eclesiástico-políticas; ela emana exclusivamente do coração bondoso do pai para TODA a humanidade. Não há autoeleição, ou seja, tudo é obra da misericórdia divina que insiste em alcançar-nos.

Ratificando essa compreensão da eleição no pensamento de Paulo, a qual é diretamente associada a uma ação da Trindade, afirma-nos Paganotto:

… quando se afirma que Deus é nosso Pai, também se diz que Cristo é nosso Senhor; demonstrando a íntima união existente entre o Pai e o Filho, mesmo que não se cite diretamente que Deus é Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, desta elucidação pode-se afirmar que o apóstolo afirma tal aspecto indiretamente. Sobre a relação existente entre o Pai o Filho, Schnelle13 evidencia duas linhas teológicas: um traço subordinante na cristologia paulina, pois todas as ações salvíficas do Filho têm o seu início no Pai (cf. 1Ts 1,10; 4,14), e um traço equitativo inicial, onde tanto o Pai como o Filho são os destinatários, por exemplo, das orações feitas por Paulo (cf. 1Ts 1,2ss). (PAGANOTTO, 2014, p.202)

Já com relação à atuação do Filho neste processo, Paulo, escrevendo pela segunda vez aos tessalonicenses, afirma que fomos salvos para alcançarmos a glória do Senhor Jesus. Tal anúncio apostólico indica que há finalidade para a vida humana, de forma que não vivemos à toa, de modo aleatório.

O fim da humanidade deve ser glorificar a Deus, ou seja, viver para que a glória de Deus manifeste-se sobre a humanidade. A vida do cristão não acaba em si mesma; ela transcende a limitação particular da existência de cada um e aponta para a majestade de Cristo. Dessa forma, tudo aquilo que realizamos que não parte de um fundamento cristocêntrico e muito menos visa o enaltecimento da glória de Deus deve ser imediatamente abandonado.

Não foi para brigarmos por coisas efêmeras e passageiras — política eclesiástica, poder institucional — que o Senhor Deus vocacionou-nos. O motivo da nossa salvação foi retirar-nos de uma condição estruturalmente condenatória e miserável, para vivermos eternamente na glória e emglória.

Logo, as inclinações e desejos de cada um de nós devem espelhar o caráter de Jesus, presente em cada um daqueles que nasceram de novo. O brilho de Cristo deve alumiar todas as motivações de nosso ser. Os reinos humanos abalam-se e perecem, mas o governo do Pai permanece para sempre.

Ora, como afirma Paulo, a questão da manifestação da glória de Deus dá-se por meio do anúncio da Palavra de Deus. Com relação a essa conexão entre anúncio do Reino e a aparição da glória de Deus, afirma-nos Betim:

… o “esvaziou-se” de Jesus, tendo como sujeito ele mesmo, revela que ninguém o obrigou a esta ação: trata-se de uma expressão de liberdade, sendo a única motivação o querer dele mesmo, motivado pelo amor, além de não ser uma atitude imposta, não foi interesseira (não esperava “benefícios” em troca). Essa é a atitude tipicamente cristã, não se pode “comercializar” com o Pai (dar para receber, em troca, o dobro). A postura de Cristo revela a atitude correta do indivíduo como consequências para toda a comunidade: se o indivíduo se exalta, prejudica a comunidade (como o termo em si mesmo indica, só ocorre se houver “comunhão”); mas, se ele se rebaixa, fortalece a comunidade, pois com esse proceder ele ajuda o outro. (BETIM, 2016, p.56)

O objetivo primaz de tudo o que se estabelece em nossas vidas deve ser a glória eterna de Cristo. A glória sempiterna de Cristo, abandonada em sua kenosis, porém restabelecida em sua ressurreição triunfal, conduz-nos a uma vida nos padrões sonhados para cada um de nós.

De forma análoga, porém intimamente condicional, assim como Cristo foi novamente glorificado no céu depois de seu esvaziamento, sacrifício e ressurreição, assim também cada um de nós, depois da superação das angústias e dores deste mundo, receberá de Jesus a glória redentora que nos concederá direito à vida eterna junto ao majestoso trono de Deus.

Por último, mas não menos importante, Paulo louva a salvação promovida pela ação da Trindade por meio da santificação no Espírito Santo. Diante do trágico, porém real impedimento do retorno de Paulo àquela simples comunidade, coube ao Espírito Santo orientar lideranças locais para a continuação da obra divina em Tessalônica.

A santidade que emana da Trindade para a humanidade é-nos transmitida por meio da atuação do Espírito que, em comunhão com o nosso homem interior, testifica das grandezas tanto da salvação como do salvador. O Espírito conclama-nos à separação de tudo aquilo que é pecaminoso, orientando-nos a uma vida dedicada exclusivamente à glória de Deus.

A Firmeza dos Tessalonicenses naquilo que Foi Anunciado

Se a ação graciosa da Trindade manteve a comunidade em Tessalônica firme, havia uma recomendação paulina que dizia respeito ao procedimento daqueles irmãos, para manter aquela igreja firme em Cristo: a fidelidade ao ensino ministrado. O tempo para a ministração das doutrinas básicas foi pouco; entretanto, a permanência nos princípios que foram apresentados garantiria o bem-estar da comunidade.

Infelizmente, ao mesmo tempo ao anúncio da verdade, as heresias também se manifestam no seio da igreja. Esse era um diagnóstico já verificado por Paulo na jovem comunidade tessalonicense. Se levar a mensagem de Cristo àquela cidade foi algo desafiador e que pôs em risco a integridade física daqueles missionários, a propagação de heresias era algo muito mais fácil de ser feita e, segundo parece ser possível depreender-se do texto, sem tantas oposições externas.

Essa preocupação de Paulo para com os tessalonicenses espelha, de maneira emblemática, o desafio de manutenção da tradição que o cristianismo enfrentou em seu nascedouro. Diferentemente do judaísmo, que já possuía toda uma coletânea de textos sagrados, assim como um enorme universo de comentários a esses textos, ou mesmo das religiões helenísticas as quais estavam respaldadas e garantidas quanto à transmissão às outras gerações por meio do poder do Estado, a igreja cristã ainda estava construindo sua identidade coletiva.

Pressupondo que esta segunda carta aos tessalonicenses foi escrita antes de 55 d.C, temos em nossas mãos o testemunho de um tipo de cristianismo que iniciava sua transição da pura oralidade para o estabelecimento da tradição coletiva por meio de textos instrutivos, os quais, mais tarde, foram reconhecidos, com autoridade institucional, como espaços de conservação dos ideais da Igreja Primitiva.

Sobre esse esforço cristão para garantir a perpetuação de suas tradições na história, defendem Mendes e Cerqueira:

Os sociotransmissores, agentes difusores da mémoria, garantem a transmissão da tradição de geração a geração. Aqui a memória formativa da tradição cristã é garantida através desses sociotransmissores, ou seja, primeiramente através dos evangelistas e dos evangelhos, e, posteriormente, por meio da sucessão apostólica, através dos bispos e presbíteros que, em seus ensinamentos, transmitem à Igreja, em cada época. Ao final do século II as normas doutrinais, a Escritura e a tradição já não são independentes, não são mais fontes de revelação diferentes, mas se unem, completando-se e transmitindo o mesmo testemunho — a evocação memorial da figura de Jesus. Deste modo, a doutrina da tradição garantida pela sucessão apostólica e suas formas simbólicas permitem à Igreja edificar a sua teologia. (MENDES e CERQUEIRA, 2011, p. 74)

Para evitar o desvirtuamento da fé por meio de falsos pregadores e seus ensinos heréticos, era necessário firmeza nos pressupostos elementares da doutrina que foram repassados por Paulo e sua equipe, inicialmente por meio da transmissão oral e, agora, escrita. O ensinamento dos valores e tradições apostólicas é algo imprescindível para o estabelecimento da jovem fé cristã que se anuncia entre os tessalonicenses.

Contemporaneamente, vivemos uma crise de identidade muito próxima à enfrentada em Tessalônica. A existência de uma multiplicidade de fontes que reivindicam para si a autoridade veritativa é algo extremamente preocupante. Se tantos profetas, mestres e doutores assumem a qualidade de fonte confiável das doutrinas cristãs, como estes podem contradizer-se entre si?

Somente por meio de um esforço contínuo de reflexão e aprendizado da Palavra é que seremos capazes de superar esse contexto de erros doutrinários e heresias e voltar a viver a essência do evangelho anunciado por Jesus Cristo e repassado às gerações pelos apóstolos e pela Igreja Primitiva.

Um povo sem memória não é um povo, mas apenas um amontoado de pessoas limitado por barreiras político-geográficas. Lembremo-nos do povo judeu que, mesmo depois de milênios despatriados, persistiam na manutenção de suas tradições religiosas, sociais e culturais.

Se também somos peregrinos e forasteiros, devemos estar empenhados para a manutenção dos valores e princípios cristãos que foram repassados aos nossos pais na fé. Não se trata de um culto ao passado, mas, sim, do necessário reconhecimento dos fundamentos que nos conduziram até a condição atual de nossas vidas.

Conclusão

Ante as ferrenhas ações do inimigo e seus serviçais, é necessário confiarmos no amor do Pai para continuarmos firmes na vocação que nos concedeu Ele. Somente por meio da operação conjunta e poderosa da Trindade, seremos capazes de sobreviver aos constantes ataques do Maligno. Entretanto, uma vez apoiados e protegidos por Deus, devemos dar o máximo de nós para permanecer no conjunto de princípios e ensinamentos que nos foram repassados pelos santos apóstolos e pela Igreja Primitiva.

*Este subsídio foi extraído de BRAZIL, Thiago. A Igreja do Arrebatamento: O Padrão dos Tessalonicenses para Estes Últimos Dias.  1 ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2017.

Telma Bueno
Editora Responsável pela Revista Lições Bíblicas Jovens

The following two tabs change content below.